top of page

Terra das sombras


- Nárnia? Nárnia? Ouvi vossa alteza pronunciar esse nome durante os delírios. Querido príncipe, você está muito doente. Não há nenhuma terra chamada Nárnia.¹


Quero tratar aqui numa pequena reflexão, de um tema que não estamos acostumados a pensar muito. Você já se questionou se o que você está vivendo é real? Será que não estamos de fato em um mundo de ilusão, conectados a uma realidade que não conseguimos perceber? Já se questionou se as pessoas e coisas a sua volta são reais? Creio que deve ter pensado nisso, mas talvez por poucas vezes, concorda?

Me questiono se por muito tempo não andamos dormentes, no caminho da nossa vida, mecanicamente, sem nos atentar para a história da qual fazemos parte. Porque aos nossos olhos tudo parece real, que de fato estamos conectados em um mundo real, do dia-a-dia, dos impostos, das doenças, da política etc. Mas temo que você pode estar preso no que C.S. Lewis chamou de terra das sombras.

Te convido a fazer um exercício comigo agora, suponha que sua mente seja um cinema, qual filme estaria sendo exibido na maior parte do tempo? É bem provável que seriam as notícias do mundo, crise familiar, postagens nos instagram e outras coisa mais. Será que tudo isso que passa em sua mente é real?

O texto que destaquei logo no começo é um trecho das Crônicas de Nárnia¹, Lewis de um jeito brilhante nos mostra a importância de acordarmos para a realidade. Neste momento da história a Rainha do Submundo mantém sob cativeiro Jill, Eustáquio e Brejeiro em sua caverna. Tenta convence-los de várias formas de que não há outro mundo fora do seu reino subterrâneo, havia música de sonolência no ambiente, luzes baixas, fumaça, e ela apresenta uma falsa narrativa da realidade: “Não há nenhuma terra chamada Nárnia. [...] Nunca houve qualquer outro mundo além do meu.”

Mas Brejeiro, em um momento, num ato que nos deixa orgulhosos (pensando com cristão), coloca os pés no fogo, o que o desperta para a realidade, ele então começa a perceber os subterfúgios da feitiçaria.

A história é espetacular, encorajo você a ler essa obra sem receios. Mas o que essa história nos mostra é que em nossa vida a visão pode estar sob feitiço, me refiro a realidade última em que vivemos, somos parte de uma narrativa muito maior do Reino de Deus, mas que por vezes somos engodados em um mundo de fumaça e sombras, acabamos perdemos nosso foco e direção.



Discípulos de Cristo

Podemos dizer aqui que o discipulado vertical é o meio pelo qual Deus nos mantém despertos e acordados, da mesma maneira o discipulado horizontal é o meio pelo qual Deus, através do nosso irmão, faz correr sangue por meio do seu corpo, nos mantendo alertas e acordados para as oportunidades e perigos da vida cristã.

Você lembra do que ocorreu a Pedro, Tiago e João, os discípulos mais próximos, quando Jesus os levou ao Getsemani? Eles não permaneceram acordados diante do seu momento mais dramático nessa terra. Jesus os leva para orar com Ele, mas eles dormem por duas vezes. Ele diz a eles “Vigiai e orai, para que não entreis em tentação” (MT. 26.41). Jesus naquele momento estava conectado na última realidade, se concentrando com todo seu ser no que é real: A vontade de Deus.

O mundo é uma batalha pelas nossas mentes, por vezes o que vimos em nosso entorno, o imaginário social, as coisas dessa vida, nos enfeitiçam e cativam nossa mente em um mundo irreal, mas a verdadeira narrativa da história do mundo está em Jesus Cristo, a Palavra Encarnada, a Verdade sobre a Realidade. Discípulos verdadeiros estão acordados e alertas para o mundo real, para a narrativa genuína, a presença Real de Jesus Cristo.


Aplicações práticas

Me dirijo agora a você que como Brejeiro sente que está sendo enganados pelos seus olhos e deseja ver a realidade como é. O que posso te sugerir é: Ponha o pé no fogo. Te adianto, vai doer, mas você poderá enxergar com clareza a realidade de que Jesus Cristo Reina e é Senhor sobre nossa vida. Por o pé no fogo é se submeter aos meios de graça: Leitura Bíblica, Oração e Comunhão com os irmãos. Você acordará para uma realidade nunca vista, será removido da Matrix e viverá uma nova vida em Cristo.


Rodapé:

¹ Crônicas de Nárnia: Cadeira de Prata, Capítulo 12, Rainha do Submundo. C.S. Lewis

Parte das ideias discutidas nesse texto são uma reflexão sobre o livro: Discipulado para a Glória de Deus, Kevin J. Vanhoozer, Capítulo 3

54 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page