top of page

COMPLETUDE E INTENCIONALIDADE


Você se sente completo?


Antes de responder essa pergunta te convido a refletir comigo. O que é ser completo? Como se dá isso? Os mais românticos devem lembrar de coisas como Romeu e Julieta de Shakespeare ou do seu cônjuge. Poderíamos pensar em um lugar que pertencemos, do esporte preferido. Poderíamos pensar que seríamos incompletos sem nossa comunidade. De fato somos completados sempre por algo externo a nós mesmos, e aqui está nossa reflexão.


Você nunca se satisfará sozinho.


Não somos um fim em nós mesmos. E isso não é ruim, é parte boa da natureza criada por Deus. Todos os seres e elementos desse mundo foram criados juntos em um sistema fechado, um para o outro. Não há nada nesse mundo que seja único ou independente, todos dependem em última instância do cosmo. Falando especificamente do homem, quando há uma tentativa de ser independente as coisas vão de mal a pior, afinal não fomos criados para isso. O mundo secular apela para que as pessoas sejam independentes umas das outras, isso sempre acaba mal.


Exemplos de dependência.


Você já sentiu fome por um momento e quando se deparou com aquela refeição apetitosa, uma canja de galinha, um churrasco, comeu e se sentiu satisfeito? Ou percebeu que faz seu trabalho tão bem que parece que foi feito para aquilo? Ou chegou em casa e olhou para seu cônjuge e percebeu que não viveria sem ele? Chegou em casa de uma viagem cansativa e percebeu que sua casa parece ser a mais acolhedora possível e sentiu que pertence aquele lugar? Entrou em uma comunidade Cristã e se sentiu bem recebido? Sentiu alegria em fazer parte desse lugar? Em todos esses exemplos você se sentiria feliz e completo?


Meu argumento aqui é o seguinte: nós não fomos criados para ser únicos, individuais e satisfeitos em si mesmos. Somos dependentes de toda criação, sejam pessoas, sejam objetos. Dependemos uns dos outros e das coisas para viver e sobreviver. Todos os exemplos citados acima são válidos e úteis. Nossa natureza caída nos empurra para um mundo individual, mas o mundo criado por Deus é interdependente.


Até aqui entendemos que somos dependentes uns dos outros, dependentes do alimento, dependentes da natureza, da terra, do sol, do cosmos etc. Mas e Cristo? Você deve pensar, somos dependentes dEle, obviamente. Mas essa dependência é diferente. Em que sentido? Somos dependentes dEle de tal forma que não viveríamos sem Ele por um milésimo de segundo. E quero que você entenda bem isso: não há nada nessa terra que seja único.

Se um dia não tivermos mais galinhas para fazer canja poderemos comer churrasco, me perdoem os vegetarianos, se um dia acabar as bananas no mundo que é uma rica fonte de potássio, teremos ainda o abacate, que também é rico em potássio, nada pode ser insubstituível no mundo, Deus espalhou elementos de dependência por todo lado, pelo mundo todo. Poderíamos falar sobre água, sobre o ar, e de fato eles são únicos, mas apenas eles não nos garantiriam a vida.


Cristo, o insubstituível.


Cristo é único, não há outro caminho, não há outra forma, não há outro jeito. Mais do que isso, não é Ele e mais alguma coisa, é apenas Ele. Ele poderia ser independente, feliz em si mesmo, mão abriu mão disso em nosso favor e nos salvou da ira futura. Se você se sente completo se alimentando, como é se sentir completo em Cristo? O mundo foi criado para convergir em Cristo toda glória.


Intencionalidade, uma dádiva.


Quando nos sentimos completos em Cristo, percebemos que todo o restante, comida, laser, dependências secundárias não precisam ser descartados, mas obtém novos significados, em Cristo eles são alegrias, em Cristo eles são prazeres, em Cristo eles são dependências menores. Se somos dependentes de Cristo percebemos que nossa nova criação é interdependente do próximo, não fomos criados para viver sozinhos.

Por isso, ser intencional deixa de ser um fardo e se torna uma dádiva, nossa relação com Ele nos impulsiona para a relação com nosso próximo. Cristo é o único capaz de mostrar a nós o quanto somos dependentes dEle e do próximo. Cristo sempre foi intencional com seu próximo, porque sua completude estava satisfeita em Deus. Só poderemos nos sentir completos em nossa relação com o próximo através da completude de Cristo.


Um desafio pra hoje: Seja intencional com seu irmão em Cristo e veja a graça abundando em suas vidas.


62 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Kommentare


bottom of page